segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Promoção Acalanto e 764 KIDS


Esse ano o Acalanto está com novos parceiros e isso significa presentes para nossos leitores!

Vamos sortear uma sandália tipo CROCS que a 764Kids está ofertando!

Pode participar do sorteio qualquer um dos nossos leitores. Gestantes, mães, pais, tios, tias...
Olhem só esse modelo que fofo e charmoso!



Mas quem ganhar o sorteio vai poder escolher o modelo e tamanho que mais combinar com seu pequeno ou pequena! E recebe em casa, sem nenhum custo!

Para participar é só comentar esse post, respondendo as perguntas abaixo, e se conectar à nossa loja parceira 764 Kids.

Para conectar com a 764 kids você pode:

No comentário cada um tem que responder:
1) Nome Completo
2) Cidade/Estado
3) E-mail
4) É gestante? Se sim, esta com quantas semanas?
5) Responder a pergunta: Onde você gostaria de levar seu pequeno ou pequena para passear com as novas sandálias?
6) Segue o @acalantobh no twitter? Se sim, qual o seu @?
7) Curte o Acalanto no FaceBook? Se sim, qual seu perfil?
8) Divulgou essa promoção no seu blog ou perfil do Facebook? Se sim, cole aqui o link da divulgação.
9) Qual foi a forma que escolheu para se conectar com a 764 kids?

A DICA especial é que dá para duplicar ou triplicar a participação no sorteio!

Quem seguir o @acalantobh no twitter ou curtir no Faceboook concorre em dobro. Quem fizer um post no próprio blog falando da promoção, ou divulgar em seu perfil do Facebook (sempre colocando o link para este post) também concorre em dobro. Quem seguir no twitter E divulgar em blog ou Facebook concorre em triplo.


Quando será o sorteio?
O sorteio será feito no dia 29 de Fevereiro, quarta feira. As inscrições serão encerradas na segunda feira, 27 de fevereiro.

Boa sorte a todos!!!

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Aventuras no TEATRO


Sempre adorei teatros!

Acho que eles tem um certo “que” de mistério que encanta. E levar crianças ao teatro é ainda mais gostoso! Por isso saio convidando sobrinhos e sobrinhas, primas e primos, vizinhos e filhos de amigas para levar ao teatro, especialmente nessa época do ano em BH, com a Campanha de Popularização do Teatro.

O teatro é diferente do cinema por estimular a nossa imaginação. No cinema já está tudo pronto, o filme nos apresenta exatamente como é cada cenário e cada personagem. O teatro não, ele indica o que tem aqui e ali, mas abre espaço para que cada um crie seus próprios personagens e cenários.

Essa possibilidade de imaginar para as crianças é um mundo infinito! Elas são espontâneas, interagem com os atores e os olhinhos brilham com cada ator que entra em cena. E depois do teatro as ideias são muitas! Se no teatro tinha uma bruxa que samba, então agora ela pode fazer mágica com música, o quarto bagunçado vira um castelo, sacos de plásticos servem para esconder tesouros e o rei do teatro vira a rainha do esconderijo. Alguém consegue pensar em algo mais gostos que entrar nesse mundo encantado?

Para quem está em Belo Horizonte vou contar um pouquinho do que eu e os pequenos que me acompanharam em cada peça achamos! Assim cada um pode fazer a sua programação de peças infantis!

O GATO DE BOTAS
A história é uma releitura bem moderna do clássico Gato de Botas. Consegue entreter crianças de todas as idades e até adolescentes. Transformou as músicas clássica em rap’s e sambas, faz referência as redes sociais da internet e estimula as crianças a buscarem os livros. Exalta as belezas do nosso estado e os adultos também dão boas gargalhadas. A turminha que foi comigo nessa peça era de todas as idades (8, 6, 5 e 2 anos) e cada um escolheu um momento diferente como o preferido!


A ARCA DE VINÍCIUS


É umas das apresentações infantis mais bonitas que já vi. As musicas do CD de Vinicíus de Morais com o mesmo nome da peça envolvem todos os presentes. As crianças que já conhecem as letras lideram o coro e as palmas. Um pequeno porém é que a história exige muito da imaginação, já que apresenta a “Casa dos Bobos” que não tem paredes e nem portas! Então é preciso imaginar a casa e, ao mesmo tempo, como os anjos se fantasiam de animais e observam o menino na casa lá em baixo. Nessa peça a pequena que estava comigo, de dois anos, não conseguiu entender a história, já que não se conformava porque o menino não podia continuar vendo os animais que ela ainda via, mas adorou cada música e saiu imitando cada personagem. As crianças um pouquinho mais velhas já conseguem entender melhor a história e imaginar os elementos do cenário que ficam por conta de cada expectador.

A TURMA DO URSINHO PUFF
Esse é um teatro interativo. O Ursinho Puff e sua turma convidam os baixinhos a particparem da peça. É uma festa só e as brincadeiras muito divertidas. Especialmente na hora de ajudar o Puff a passar pelo túnel que leva ao pote de mel. As crianças que não estão acostumadas a interagir com os personagens ficam com um pouco de medo, mas não vi nenhuma que quis ir embora, apenas várias dependuradas nos pescoços dos pais.

FLICTS


Quem já leu o livro do Ziraldo vai adorar a peça! Os adultos revivem a infância e as crianças tiram do teatro várias ideias de brincadeiras para o dia a dia. A peça é leve e descontraída! E consegue carregar no foguete a imaginação de todas as crianças e adultos que asitem. É uma boa peça para bebês também já que usa muitas cores e contrastes que chamam a atenção dos pequenos.





OS TRÊS PORQUINHOS
Conta a clássica história que todos conhecemos. A maioria das crianças nos teatro já consegue prever o que vai acontecer na próxima cena e narram a história junto com os personagens. Tivemos uma pequena intercorrência com o lobo mal, já que todas as vezes que aparece as luzes ao apagadas e o lobo chega pulando no palco. Os sustos e a choradeira foram grandes. Muitas crianças tiveram que sair do teatro. Então vale a pena conferir se seu pequeno não tem medo de lobo mal antes d levá-lo.

OS SALTIMBANCOS
 

Essa é outra peça especialmente bonita, com o cenário e figurino. Encanta a todos e o coro das crianças e adultos compõe a apresentação. É uma delícia dar vida a gatos, cachorros, galinhas e burros! E sair cantando as músicas de Chico Buarque que fizeram parte da minha adolescência junto com pequenos tão queridos, não tem preço!




 

Então! Até agora esse foi meu roteiro com os pequenos!!! E fica ai a dica!! Quem tiver mais dicas sobre outras peças ou comentários dessas, comenta aqui pra gente!!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Acupuntura para o aleitamento




Meu segundo bebê, Martim, nasceu em agosto, quase um mês antes da data prevista. Apesar de ter dado à luz de uma forma natural e rápida, posso dizer que também sofri bastante no parto, devido a uma infecção urinária que me causou muita dor durante as contrações. Mas o pequeno nasceu bem, mamou logo após sua chegada e, mesmo sendo muito magrinho, não precisou ficar na incubadora. Tivemos alta logo depois, e enquanto eu me recuperava do parto ele mamava bem e gradualmente ganhava peso. Eu nunca tive muito leite, hoje eu sei disso, e percebo retroativamente que meu primeiro filho deve ter passado fome, pois ele chorava muito, até que aos quatro meses meu leite secou completamente.

Aos 25 dias, o Martim apresentou um desconforto intenso quando ficava deitado e logo depois começou a vomitar tudo o que mamava. O pediatra tomou medidas de tratamento antirrefluxo, sem nenhum efeito. O quadro foi piorando a cada dia, ele vomitava muito, até que suas fraldas começaram a ficar secas, sem coco e quase nada de xixi. Ele começava a apresentar sinais de desidratação.

 

O diagnóstico

Desesperados, eu e meu marido corremos ao pronto socorro infantil, onde decidiram interná-lo para descobrir o que ele tinha. Ficou na unidade semi-intensiva por uma semana, tomando soro, mas ainda mamando no peito. Como eu não podia dormir lá, todos os dias eu ordenhava meu leite na bomba. Tudo era muito estranho para mim, sem contar o medo, o desespero e o cansaço extremo. Naqueles dias eu tinha a sensação que ia enlouquecer, estava completamente fora de mim. Não conseguia desligar, dormir ou pensar em qualquer outra coisa.

Os dias passavam e não descobriam nada, o diagnóstico demorou a aparecer pelo fato do bebê ser prematuro. No último dia que tirei meu leite, saiu apenas 25 ml. Quase nada, fiquei ainda mais nervosa, pois achei que meu leite iria secar logo. E todos os médicos pediam que eu descansasse e me alimentasse bem para que isso não acontecesse, mas era impossível para mim. Após uma semana resolveram operá-lo, e só então descobriram que ele nasceu com uma doença congênita chamada "estenose hipertrofia do piloro". Um espessamento da musculatura da passagem do estômago para o intestino. Ou seja, os alimentos chegavam ao estômago e voltavam. A cirurgia foi bem rápida e ele se recuperou muito bem. Após dois dias de jejum Martim recomeçou a mamar no copinho. Eu fiquei uns três dias sem amamentá-lo.

 

Acupuntura ajuda no aleitamento materno

Quando voltamos para casa, estávamos muito felizes, mas eu estava estragada, com sequelas de tanto estresse. Não sentia meu leite descer, então além do peito, comecei a oferecer mamadeira após cada mamada. E Martim mamava tudo! No começo fiquei bem triste por constatar que ele realmente não se satisfazia só com o peito.

Comecei então a me tratar, passei a tomar muitos complementos, fitoterápicos e vitaminas, além de fazer alimentação específica, beber litros e litros de chás e sucos, fazer visualizações, etc. Eu só pensava em ter leite! Até que encontrei uma amiga e, falando sobre o assunto, ela me contou que também passou por um período de estresse enquanto amamentava e resolveu fazer acupuntura. Ela disse que a acupunturista a equilibrou e então seu leite começou a "jorrar".

Então lá fui eu na tal acupunturista. As agulhas são colocadas no corpo inteiro, da cabeça aos pés. Pelo que entendi, não há um ponto específico no corpo que estimule a produção de leite. Mas o que a acupuntura faz é equilibrar meus meridianos, o leite vem como consequência do processo. Ainda durante a sessão, comecei a sentir o peito encher, aquela dorzinha boa, que dá vontade de sair correndo para encontrar o seu bebê. Fiz três sessões apenas. Na primeira doeu um pouco. Na verdade, eu não costumo sentir dor na acupuntura, mas na ocasião eu estava muito sensível e emotiva, cheguei a chorar nas sessões. Mas agora estou bem melhor, me sinto mais relaxada, fazendo manutenção a cada 15 dias.
"A acupuntura auxilia no tratamento no quadro de tensão emocional. Trata o sistema nervoso central, ligado às glândulas endócrinas, que segregam os hormônios e os lançam diretamente na corrente sanguínea. Esse processo é responsável por produzir prolactina, favorecendo o crescimento da glândula mamária e, consequentemente, o aleitamento". Alessandro Ribeiro Peixoto, acupunturista.
Estou muito feliz por estar amamentando meu bebê, afinal ele está prestes a completar três meses e engordou mais do que o esperado desde então. Ainda complemento a alimentação dele com a mamadeira, pois ele estava muito faminto, "querendo tirar o atraso", como disse o pediatra. Mas acreditamos que em breve poderemos ficar só no peito.

Posso dizer que tudo ajudou. Ainda continuo com todos os suplementos, mas a acupuntura realmente fez toda diferença. Seus efeitos foram rápidos e muito consistentes. Entendi que para amamentar temos que estar equilibradas, pois é algo que, além da vontade, depende de muitos fatores: nutricionais, hormonais e, principalmente, emocionais.
 

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Dieta da mãe é exemplo para alimentação do filho

Estudo com pré-escolares mostra que hipertensão e colesterol alto já se manifestam precocemente, contribuindo para risco futuro de doenças renais e cardiovasculares.

Para que a criança tenha uma alimentação saudável não basta a mãe apenas dizer o que ela deve comer. É preciso também dar o exemplo. Foi o que concluiu a nutricionista Adriana Cândida da Silva em sua dissertação de mestrado, defendida na Faculdade de Medicina da UFMG. Ela acompanhou 60 crianças com idades entre 2 e 6 anos matriculadas em creches e escolas públicas da região nordeste de Belo Horizonte. A nutricionista encontrou parâmetros nutricionais similares entre os filhos e suas mães.
O percentual de crianças que podiam ser consideradas acima do peso ou obesas foi de 11,7%. Quando a mãe possuía um quadro de sobrepeso ou obesidade, a probabilidade da criança apresentar o mesmo estado nutricional alcançava 85,7%. No sentido oposto, nos casos em que a balança registrava um peso adequado para a mãe, a chance do filho apresentar a mesma condição foi de 96%.

Segundo a autora, isso se deve ao fato da criança, principalmente na idade estudada, tomar a mãe como exemplo para o desenvolvimento de hábitos de vida, adequados ou não. O comportamento alimentar não escapa dessa regra. “O que a mãe come é muito representativo para a criança”, afirma Adriana.

Por isso, quando a dieta materna incluía o consumo em excesso de gorduras e açúcares – principalmente alimentos como margarina, refrigerante, doces e frituras – e, ao mesmo tempo, baixa ingestão de frutas e verduras, a criança frequentemente se alimentava de forma similar. “Isso é um risco, pois uma dieta como essa pode levar a doenças renais ou cardiovasculares no futuro”, alerta a autora.

No estudo, 35% das crianças apresentaram quadro de hipertensão ou pré-hipertensão arterial e 3% tinham níveis elevados de colesterol e triglicérides. Outra constatação importante foi o fato das crianças estarem aparentemente saudáveis, sem nenhum sinal que indicasse essas alterações.

Prevenção precoce

Por isso, Adriana ressalta a importância de construir um comportamento alimentar adequado nas crianças desde cedo. “Segundo psicólogos, nossas preferências alimentares são definidas até os seis anos de idade. É o período ideal para começarmos esse trabalho de orientação alimentar e de hábitos de vida”, afirma.

No entanto, é importante conseguir maior envolvimento dos pais e outros cuidadores, superando a pouca importância que por vezes é dada à alimentação adequada das crianças. Um sintoma desse desinteresse foi a baixa participação de pais na pesquisa, o que inviabilizou a comparação também com eles. E mesmo entre as mães participantes, a adesão à consulta de retorno foi pequena, segundo Adriana. “Em geral, a correria do dia a dia faz com que essas questões sejam postas de lado”, reconhece.

Para contornar esse problema, ela sugere que a participação dos pais seja aliada a de profissionais que atuam nas creches, escolas e unidades básicas de saúde. Dessa forma, poderia ser traçado um plano de ação que contemplasse a criança em todos os momentos do seu dia. “Se as crianças tiverem aulas de educação alimentar na escola e se cultivarem o hábito de alimentação saudável, daremos um passo importante para a prevenção de doenças crônicas não transmissíveis no futuro”, conclui Adriana.
 

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Voltaremos em Breve


Pessoal,
já tem alguns dias que não publicamos no Blog e infelizmente ainda ficaremos alguns dias sem novidades.

Por motivos de forças maiores, acreditem, mais do que conseguimos prever, os membros do Acalanto não estão atualizando o blog.

Mas prometemos que retomaremos nossos posts no dia 20 de janeiro. Voltaremos com novidades e continuando as sérias que foram interrompidas, tanto a de artigos como a da construção do Plano de Parto.

Pedimos desculpas e contamos com a compreensão dos nossos queridos leitores, que podem aproveitar esse tempo para passear nas postagens antigas.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Meninos e Meninas Maluquinhos







Quem não conhece a história do Menino Maluquinho de Ziraldo? E quem não se emocionou com filme, que foi gravado aqui em Belo Horizonte, bem pertinho aqui de casa?


Melhor ainda! Quem foi um menino ou menina maluquinho? E quem tem um filho ou uma filha menino ou menina maluquinho?

Um desses dias tive a oportunidade de participar da formatura de uma Menina Maluquinha muito querida! Ela se formou no segundo período e está extremamente orgulhosa que ano que vem estará na primeira série. A turminha dela apresentou um teatrinho do “menino maluquinho” que me deixou emocionada!

Tá eu estava emocionada também porque não acredito já no tamanho dessa menina maluquinha, quanto tempo passou, e na sua esperteza e alegria. Ela contagia a todos e se destaca dançando e animando a coreografia ensaiada repetidamente o dia inteirinho. Não acredito o quanto sou feliz de poder participar de um pouquinho da vida dela e não posso deixar de desejar que um dia tenha uma filha assim, linda, esperta, alegre, inteligente e tão absurdamente amada por tantos em uma família bem diferente!

Mas também fiquei emocionada pela sinceridade do teatro. E a sensibilidade de recuperar valores dentro do jeito de brincar que as vezes achamos estar perdidos nesse mundo tecnológico de hoje.



As crianças fizeram um juramento que começava mais ou menos assim: “Eu juro nunca me esquecer de ser criança...” e continuava... mas acho que fiquei ali pensando na criança dentro de mim que eu não queria esquecer...

Eu acho que fui uma menina “meio” maluquinha. Meio porque eu brinquei na rua com uma turma enorme de amigos, passava os finais de semana na casa das avós correndo atrás dos primos e as férias na casa da fazenda, do sítio ou da praia. Brincava de boneca de pano (minha avó costurava todas as roupas), cozinhava em mini fogões improvisados nas menores panelinhas de verdade que encontrávamos, brincava de pique esconde, andava a cavalo e jogava pente altas. Não gostava das brincadeiras de bola como o futebol e nem de andar de bicicleta, mas elas estavam sempre presentes no dia a dia. Mas fui meio porque eu não era assim tão bagunceira! Pelo menos não se comparasse com meus primos e irmão que definitivamente eram meninos maluqinhos! Nós jogávamos vídeo game também, mas essa nunca foi uma brincadeira individual e sim um motivo para reunir todos os vinte amigos na casa de um e organizar um campeonato de Mario Cart ou Street Fighter.



Um menino ou menina maluquinho tem
- o olho maior que a barriga
- fogo no rabo
- vento nos pés
- pernas enormes para abraçar o mundo

Um menino ou menina maluquinho sabe ser criança, se deixa levar pela imaginação, descobre o mundo ao lado dos amigos e tem certeza de que é amado incondicionalmente pela sua família, que esta sempre ali pertinho, do seu lado.

Gostaria que tivéssemos ainda hoje mais meninos e meninas maluquinhos e que os adultos jurassem não se esquecer das crianças que foram para assim poder propiciar um mundo onde as crianças podem continuar a ser meninos e meninas maluquinhos. Onde podemos brincar na rua, nadar no rio, ver as estrelas, comer fruta do pé, andar de bicicleta na praça, convidar os amigos para brincar em casa, aprender a confiar no outro, saber que é amado.


domingo, 1 de janeiro de 2012