quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

O que foi diferente esse ano?


Esse ano, desde o dia das Crianças em outubro temos falado sobre uma Infância Livre do Consumismo, sobre ser criança livre. Tem vários posts sobre o assunto aqui no blog e em outros blogs legais que falam sobre a infância e a maternagem. O que mudou? Inspirada nessa ideia acabei transformando meus ursinhos de pelúcia, que estavam guardados no presente de natal das minhas priminhas. O presente para ficar na casa da avó, para que possam partilhar quando estiverem juntas. E não é que foi o maior sucesso?



Agora, quase no final do ano, nos deparemos com um reality show para bebês. A Rede Globo, no programa da Ana Maria Braga, patrocinados pelo Hipoglos, confinaram mais em uma casa e as fizeram competir em brincadeiras ridículas para continuar na casa. Seus pequenos bebês de 1 ano foram privados da convivência com os demais familiares e viram as mães sofrendo e chorando durante as provas. Os pequeninos sofreram juntos e não entenderam o porque suas mães choravam. Não puderam se defender de serem expostos na televisão e serem julgados nas votações do publico entre quem era mais “fofo” ou “bonitinho”.

Ainda por cima profissionais desqualificados e desatualizados foram convidados para falar em televisão aberta bobagens imensas sobre a amamentação e a criação das crianças, ignorando as recomendações da OMS e do Ministério da Saúde. Bom, não é de hojeque a televisão faz um desserviço a população passando falsas informações sobreparto, amamentação e criação de crianças, induzindo ao consumismo. E para piorar a propaganda de final de ano da Coca Cola mostra diversas cesarianas acontecendo no dia 21/12, nosso suposto fim do mundo, como se elas fossem um mundo novo cheio de esperança. Ao invés de apontar o absurdo do número de cesarianas crescer em mais de 30% nesse dia, apenas porque a data e bonitinha.

A diferença esse ano?
As mulheres não ficaram caladas. Foram as ruas e gritaram que não é assim que querem criar seus filhos. Que não aceitam que seu parto seja um produto da industria médica.

A Marcha pelo Parto Normal foi estimulada por um decisão infeliz errônea, felizmente já revogada, do Conselho de Medicina do Rio de Janeiro (para saber mais sobre oque aconteceu na época é só clicar aqui). E essa Marcha correu o Brasil, replicando movimentos no mundo todo, defendendo que a mulher se empodere e seja dona do seu parto. Faça as suas escolhas e não fique a mercê de decisões mercadológicas. As mulheres foram a rua, mais um vez, pelo seu direito de escolha. Escolheram o Parto Humanizado.

E agora as mulheres se movimentaram e exigiram que a Rede Globo se retratasse dos absurdos que falou sobre amamentação em cadeia nacional. O Ministério Publico apoio e acolheu a queixa, fazendo a ordem ser cumprida. Assim como apoio e acolhe a queixa da luta contra a Violência Obstétrica, que também já falamos aqui no blog – CLICA AQUI.

E para o ano que vem?
Que venham mais lutas e mais batalhas, e ainda mais vitórias, em defesa das crianças, em defesa das mulheres, em defesa do Parto Humanizado e da Amamentação! São muitos passos ainda a serem dados

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Família, Natal, Amor e Paz


As postagens do blog estão atrasadas nesse final de ano. Entre os encontros de natal, família  trabalho, o fim do mundo e novo curso de Amamentação em Rede que estou fazendo pelo canal Minas Saúde acabei perdendo o ritmo semanal. Estou aprendendo varias coisas e logo logo vou contanto a vocês tudo o que aprendi!

Mas hoje, natal, que para mim significa partilhar com a família a alegria deste e do próximo ano, fiz questão de passar por aqui para partilhar com vocês esse significado. O vídeo abaixo mostra minha pequena prima desejando feliz natal, amor e paz com toda a sua doçura e delicadeza, com a boca suja de chocolate e bem a vontade na casa da avo, como tem que ser em todos os natais.


video

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Bicos e Chupetas - solução mágica ou problemas no futuro?!


Nós, fonoaudiólogas, somos sempre questionadas sobre a questão de usar ou não bicos e chupetas e quais os problemas em relação a esse uso?! A pergunta sempre vem acompanhada do temor do uso do bico versus o dedo, que já falamos em um post aqui no blog (Para ler é só clicar aqui!). Hoje, vamos falar mais sobre o bico em si.

O bico sozinho não pode ser considerado o vilão dos problemas orais de uma criança já que tudo vai depender de uma soma de fatores que incluem até a genética. A genética é algo que não podemos controlar, mas o uso do bico sim. E o uso frequente e prolongado do bico pode interferir em:

- posição habitual e em repouso da língua que pode empurrar os dentes posteriormente;
- flacidez dos músculos da face;
- estimulo a respiração oral;
- nascimento dos dentes já em posição incorreta;
- dificuldade na mastigação;
- problemas de fala, logo no inicio do desenvolvimento o que pode desencadear uma sequencia de problemas futuros.

Isso sem contar que o bico e uma fonte de vírus e bactérias. Por mais que as mães limpem ou fervam a borracha ou silicone é um local propicio para a proliferação de bactérias e alojamento dos vírus.

Somam-se a esses fatores as questões psicológicas. Já que o bico pode se tornar uma muleta para a criança enfrentar alguma dificuldade. Pode também ser motivo de discriminação social entre as crianças mais velhas. A retirada do bico de crianças mais velhas pode também ser um evento traumático para as crianças e para os pais.

No entanto, apesar de todos os problemas o bico pode ter uma necessidade de uso. Quando isso acontece?!

- Algumas crianças tem uma necessidade aumentada de sucção seja fisiológica ou por causada por uma necessidade maior de conforto como quando esta doente ou sentindo dor. Essa sucção pode ser feita sim no próprio peito da mãe, o famoso chupeitando. É saudável e muito bom para a mãe e bebê. Mas a mulher pode sim não dar conta dessa disponibilidade da necessidade aumentada do seu bebê e sem culpa pode sim optar por usar o bico.

- Muitos também usam o bico para acalmar a criança que chora muito. Seja por um motivo concreto ou por algo que os pais não conseguem identificar. De novo pode sim ser usado o peito da mãe. Mas pode ser também usado o bico. Não como um “cala a boca”, mas sim como uma estratégia para acalmar o bebê. E ai, nesse caso, eu costumo falar que mais vale uma mãe e pai calmos com o bebê com o bico do que uma família estressada.

Vejam bem eu não quero de forma alguma incentivar o uso de bicos, mas acho importante reconhecer que nada muito radical funciona na maternidade. Então, se a mãe opta pelo uso do bico deve fazer isso de forma consciente, com informações, empoderada, tomando a melhor decisão pela sua família e não carregada de culpa, vergonha ou forçada pela pressão dos palpiteiros de plantão.

Se optar pelo bico acredito que deve observar alguns pontos importantes para diminuir os efeitos deletérios do uso:

1-      Quem tem o controle do bico são os pais e não a criança.

2-      Bico deve ser oferecido quando necessário e retirado, guardado em local que a criança não tem acesso, quando não for mais preciso.

3-      Hora de brincar não tem necessidade de usar bico

4-      Depois que adormecer o bico deve ser retirado da boca do bebê e guardado fora do berço. Dormir com o bico aumenta muito o tempo de uso dele, em um momento que o bebê não tem necessidade de sucção. O tempo de uso do bico tem impacto grande nos malefícios que o bico pode causar.

5-      Usar o bico de silicone ortodôntico que é menos prejudicial.


Esse suporte do bico 'e inadequado, já que não oferece apoio correto e suficiente ao redor da boca, propiciando uma pressa durante a sucção que saciairia a necessidade de succao do bebe.


Aqui temos dois exemplos de bicos inadequados. O azul não apresenta o suporte adequado para a sucção  'e feito de látex e 'e redondo, isto 'e, não ortodôntico. Ja os bicos rosas apesar de apresentarem um apoio adequado e serem de silicone não são ortodônticos (discordando da orientação de alguns pediatras).

O bico verde 'e o mais adequado, uma vez que tem um bom suporte para a sucção  'e feito de silicone e 'e ortodôntico. Ele ser de silicone oferece maior resistência  saciando melhor a necessidade de sucção, alem de acumular menos bactérias que o de látex.  Ser ortodôntico  com essa ponta virada para cima permite que a língua fique em uma posição menos pior que os demais.




6-      O único instrumento que acredito não ser PROIBIDO é esses cordões que prendem o bico a roupa! Eles não vão impedir que o bico caia no chão e se suje, vai sujar de todo jeito, e eles dão a criança controle do bico!

Na minha opinião, segurador de bico 'e o único objeto que deve ser considerado terminantemente proibido!!!